PUBLICIDADE

Nos 25 anos sem Freddie Mercury, dez astros compartilham "herança artística"

24 nov 2016 18h17
ver comentários
Publicidade

Mesmo após 25 anos da morte de Freddie Mercury, completados nesta quinta-feira, uma das personalidades mais carismáticas da música e também uma das mais marcantes vozes de todos os tempos, sua influência se faz presente em vários artistas que mantêm vivo seu legado.

- GEORGE MICHAEL: Tinha 38 anos e dois discos lançados em carreira solo, incluindo "Faith", quando o vocalista do Queen faleceu em 1991. Britânico e de família de imigrantes, George Michael cantou "Somebody to Love" em uma homenagem a Freddie Mercury em Londres. Em suas próprias palavras, foi "o momento mais incrível" de sua carreira. Apontado como um dos primeiros a se credenciar como sucessor do líder do Queen.

- ROBBIE WILLIAMS: Um dos astros masculinos mais irreverentes do pop e músico mais premiado do Reino Unido, ele é provavelmente o que mais se aproxima de Mercury como "animador" e provocador do público, graças a sua grande presença de palco. Ele se gaba disso e chegou a fazer versões de "Bohemian Rhapsody" em suas excursões.

- ADAM LAMBERT: Americano, ex-participante do "American Idol", homossexual declarado e bastante extrovertido, atualmente desempenha as funções de Mercury como vocalista do Queen, algo para o qual não foi convidado por acaso (é capaz de cantar todas as notas de uma guitarra e alcançar três oitavas e seis semitons). "Tenho certeza de que Freddie aprovaria Adam", disse Brian May.

- PAUL RODGERS: Antes de Lambert, o artista mais veterano desta lista (66 anos) e vocalista do Bad Company já recebeu a tarefa de cantar no Queen entre 2004 e 2009. Mencionado no 55º lugar do ranking "Os 100 Grandes Cantores de Todos os Tempos" da revista "Rolling Stone", era também "um dos cantores favoritos de Mercury", segundo o bateria Roger Taylor.

- MATT BELLAMY: Também tenor, nos agudos dilacerantes do vocalista do Muse é fácil vislumbrar a sombra de Freddie Mercury, como também em sua forma de compor ao piano. Não por acaso, em discos como "Resistance" e "The 2nd Law" é possível notar melodias inspiradas em músicas do Queen.

- GÉRARD WAY: Freddie foi a principal inspiração do My Chemical Romance, banda de rock alternativo e "emo" liderada por Way, que o citou como referência pessoal por sua ambiguidade sexual. O músico inclusive recebeu um convite de Brian May para interpretar "We will Rock You" com o Queen durante uma edição do Reading Festival.

- MIKA: Britânico de origem libanesa, homossexual e dono de um alcance vocal de três oitavas e meia, o intérprete é algo como uma versão colorida de Mercury e considera "uma honra" esta comparação recorrente. "O mais interessante é que Mercury vivia na esquina ao lado da minha casa e temos o mesmo jardineiro", contou ele à Agência Efe.

- BRENDON URIE: Se alguém duvida que o vocalista de Panic! At The Disco poderia ocupar o trono de Mercury, basta procurar na internet da versão de "Bohemian Rhapsody" que fez há anos ou a que gravou recentemente para a trilha sonora de "Esquadrão Suicida". Além disso, como é bem sabido, é outro entusiasta dos grandes espetáculos de música.

- BRANDON FLOWERS: Outro apaixonado pelo espetáculo, como bom filho de Las Vegas, é o vocalista do The Killers, que citou Mercury como uma de suas grandes influências e chegou a se apresentar durante anos usando bigode, embora não tenha subido ao palco "tão escassamente vestido" como fazia seu ídolo.

- LADY GAGA: Poderia não estar nesta lista alguém que homenageia em seu nome artístico um dos maiores clássicos do Queen? A similaridade nas harmonias vocais de Stefani Germanotta com as de Freddie Mercury, a quem "adorava como artista único", propiciou o pseudônimo da única mulher desta lista, compositora, pianista e intérprete sólida e versátil com grande apreço pela fantasia.

EFE   
Publicidade
Publicidade