inclusão de arquivo javascript

Vida de DJ
 
 

Crescem furtos em baladas; saiba o que fazer

22 de janeiro de 2013 07h28

Depois de muitas queixas, alguns clubes da capital paulista reforçaram a segurança e decidiram tomar algumas medidas para diminuir o número de queixas. Foto: Divulgação

Depois de muitas queixas, alguns clubes da capital paulista reforçaram a segurança e decidiram tomar algumas medidas para diminuir o número de queixas
Foto: Divulgação

Cada vez mais um grande inconveniente vem atrapalhando a vida de quem curte a noite em alguns dos clubes mais famosos de São Paulo: os furtos. Inúmeras são as histórias de frequentadores que tiveram cartões de crédito, carteiras e principalmente celulares furtados sem que percebessem.

A princípio, a vítima pensa ter se distraído e deixado cair ou esquecido o celular ou a carteira em algum lugar, mas a má notícia é que muitos "batedores de carteira" frequentam os clubes com a intenção de roubar.

Depois de muitas queixas, alguns clubes da capital paulista reforçaram a segurança e decidiram tomar algumas medidas para diminuir o número de queixas.

O bar Alberta #3 estabeleceu a revista do público na entrada e, assim como o Beco 203, instalou câmeras e reposicionou as já existentes. O Estúdio Emme, no bairro de Pinheiros, aumentou a brigada de seguranças durante as festas, colocando alguns à paisana. O clube Lions também aumentou o número de seguranças e, como a The Week, incentiva os frequentadores a deixarem seus pertences na chapelaria enquanto aproveitam a noite - este serviço é gratuito na Lions.

O prejuízo de ser furtado dentro de um clube não deve ser da vítima. A responsabilidade recai também sobre o estabelecimento onde o furto ocorreu. Por isso, para não sair de mãos abanando, preste bastante atenção ao que deve ser feito ao ser roubado num clube noturno:

1º - Procurar o responsável (proprietário ou gerente) do estabelecimento e registrar a queixa por escrito.

2º - Comparecer à delegacia de polícia e fazer um boletim de ocorrência (BO).

3º - Solicitar por escrito as gravações de câmaras internas do estabelecimento.

4º - Tentar fazer um acordo com a empresa para ser ressarcido dos danos materiais.

5º - Se o acordo não for possível, formule uma reclamação junto ao Procon, com cópias das notas fiscais dos produtos roubados, testemunhas e imagens.

6º - Na impossibilidade do acordo administrativo no Procon, entre com uma ação com pedido de indenização por dano material nos Juizados Especiais.

Terra