1 evento ao vivo

"O grande sucesso ainda está para chegar", afirma NX Zero

3 nov 2011
16h54
atualizado às 18h32

Nx Zero foi a banda convidada do último programa da temporada 2011 do Sonora Live e começou o show com a música que deixou a banda famosa: Razões e Emoções. "'Ela sempre foi a escolhida, fez a gente tocar para milhares de pessoas", afirmou o vocalista Di Ferrero sobre o single.

Apesar do sucesso e fama adquiridos após dez anos de carreira, o grupo ainda não está satisfeito. "O grande sucesso ainda está para chegar. A gente ainda quer tocar fora do Brasil, fazer música em outras línguas", afirmou o vocalista, adiantando para os fãs que novidades surgirão na banda.

"A gente tem cobrança de fora para fazer um CD em espanhol. Já temos algumas traduções, mas precisamos fazer uma versão de quem mora lá", afirmou Di. Em seguida, o grupo deu uma amostra do que vem por aí, e cantou um trecho de Razões e Emoções traduzido.

NX Zero relembrou a época que atuavam no cenário independente musical, e precisavam tirar o dinheiro do bolso para pagar a passagem e fazer shows em outras cidades. Rindo, o grupo se lembrou que já se apresentou para pouquíssimas pessoas. Com o sucesso, porém, a plateia já não é mais pequena; como Di lembrou, NX Zero já fez um show para um público de 85 mil.

Sobre início do sucesso da banda, Di disse: "de repente, tinha gente conhecendo a gente na rua, pedindo autógrafo. E a gente não tocava em TV, em rádio", afirmou. Na época, o grupo se apresentava no Hangar, casa paulistana de shows alternativos - mesmo palco de grupos como Restart, Rancore e Hateen - e ficou conhecido por conta desses shows.

O grupo também tocou as músicas Essa Eu Fiz Para Esquecer, Só Rezo, Não é Normal, Cedo ou Tarde e Onde Estiver - dedicada para a atual namorada de Gee, em uma época que o casal estava separado.

Preconceito
"A gente sempre foi muito seguro. Hoje em dia, achamos engraçado como pessoas que antes falavam mal da gente, faltavam com o respeito, vão nos shows. Temos que provar", afirmou Di, sobre comentários feitos pelo estilo de música e de se vestir da banda.

Uma prova da atual "quebra" de preconceito seria a parceria que a banda fez com o rapper Emicida.

Inspiração
Um amigo do grupo, João "Johnny", que toca na banda Gloria, fez uma participação e conversou virtualmente com o grupo e Lorena Calabria. "Na verdade, o sucesso deles serviu como estímulo. Mesmo com o som diferente, outra proposta, essa ida foi o que impulsionou a gente também", afirmou.

Fonte: Terra
publicidade