3 eventos ao vivo

Após 14 anos, Blur volta ao País como atração do Planeta Terra

12 jun 2013
10h20
atualizado em 4/10/2013 às 09h48
  • separator
  • 0
  • comentários

Importante expoente do britpop, o Blur fez uma única visita ao Brasil, em 1999, quando se apresentou no Rio de Janeiro e em São Paulo. Quatorze anos depois, a banda volta ao País como uma das principais atrações do Planeta Terra 2013.

<p>Quatorze anos depois, a banda Blur volta ao País como uma das principais atrações do Planeta Terra 2013</p>
Quatorze anos depois, a banda Blur volta ao País como uma das principais atrações do Planeta Terra 2013
Foto: Getty Images

Formado em 1989 em Londres, na Inglaterra, o quarteto composto por Damon Albarn (vocal), Graham Coxon (guitarra), Alex James (baixo) e Dave Rowntree (bateria) lançou hits que são referência até os dias atuais, como Song 2, Girls & Boys e Coffee & TV. Dos sete álbuns de estúdio da banda, três foram citados no livro 1001 Albums You Must Hear Before You Die (1001 Álbuns que Você Deve Ouvir Antes de Morrer). São eles: Modern Life is Rubbish (1993), Parklife (1994) e Blur (1997).

Lançado em 1991, o álbum de estreia do Blur, intitulado Leisure, não trouxe grandes novidades do que se fazia na época, reunindo elementos psicodélicos influenciados por bandas como Stone Roses. O disco levou ao público canções como She’s So High, Bang e There’s No Other Way e teve boa receptividade. A faixa Sing seria, anos depois, incluída na trilha sonora do filme Trainspotting (1996), de Danny Boyle.

O segundo álbum, Modern Life Is Rubbish (1993), apresentou influências de grupos como The Kinks e Small Faces, em canções que citam vários locais de Londres e que retratam personagens de forma irônica. O disco, que reúne faixas como For Tomorrow, Chemical World e Sunday Sunday, é considerado um dos lançamentos que definem a cena britpop.

Em 1994, Parklife rendeu ao grupo quatro discos de platina no Reino Unido e ajudou a firmar a cena britpop emergente, com canções como Girls & Boys, End of a Century, Parklife e To the End. No ano seguinte, The Great Escape repetiu o sucesso de vendas e críticas positivas, além de lançar hits como Country House, The Universal, Stereotypes e Charmless Man.

Com Blur (1997), que reuniu sucessos como Song 2, Beetlebum, M.O.R. e On Your Own, a banda se manteve no topo das listas e ainda faturou mais um disco de platina. 13 (1999) veio na sequência, com elementos mais experimentais de psicodelismo e música eletrônica. Fazem parte do álbum, que também alcançou o topo das paradas britânicas, as faixas Bugman, Coffee & TV, Caramel e No Distance Left to Run.

Em 2003, o quarteto londrino lançou Think Tank, álbum que antecederia um longo período de hiato de inéditas. O disco manteve o caráter experimental de seu antecessor, acrescentando ainda elementos da música africana, do hip hop, do dub e do jazz. Faixas como Out of Time, Crazy Beat e Good Song fazem parte do trabalho que rendeu um disco de ouro para a banda.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade