inclusão de arquivo javascript

 
 

Mundo Livre S/A retorna com álbum experimental

19 de dezembro de 2003 22h30 atualizado em 02 de janeiro de 2004 às 17h51

mundo livre s/a. Foto: Trama/Divulgação

mundo livre s/a
Foto: Trama/Divulgação

O mundo livre s/a está de volta. A banda que dividiu com Chico Science e Nação Zumbi cabeça a cabeça as atenções da mídia pelo mangue beat no começo dos anos 90, ressurge com O Outro Mundo de Manuela Rosário, quinto CD da discografia oficial do conjunto, pelo selo pernambucano Candeeiro Records, com distribuição nacional da Trama.

Ouça O Outro Mundo de Manuela Rosário

Gravado totalmente em casa, ou seja, no Recife, O Outro Mundo de Manuela Rosário retoma as experimentações de álbuns como Samba Esquema Noise (1994) e, principalmente, Carnaval na Obra (1998), coincidentemente, todos discos ímpares da discografia do grupo.

Porém, mesmo sendo bastante experimental, O Outro Mundo de Manuela Rosário ampara-se mais no uso de violões do que nas guitarras. É um disco musicalmente calmo e tematicamente político. Fred 04, líder e letrista do mundo livre s/a, ironiza a Ordem dos Músicos do Brasil em Muito Obrigado. Já Azia Amazônica, depois de citar Schwarznegger e George W. Bush, pergunta "é você John Waine?".

Mesmo com o discurso político afiado, ZeroQuatro deixou escapar um belo samba apaixonado, Inocência, faixa que abre o disco e surge como uma das melhores canções do mundo livre s/a. Na letra, sacanagem e inocência caminham lado a lado, duelando: "Azarar sem violência, mesmo que seja só por maldade / Paquerar com liberdade, mas na maior inocência / Namorar sem malandragem, estraga o filme e dá prejuizo / Copular sem sacanagem é um atalho pro paraiso".

O Outro Mundo de Manuela Rosário traz 14 músicas e participações especiais de vários integrantes da Nação Zumbi. Lúcio Maia toca guitarra em Caiu a Ficha e Azia Amazônica. Jorge Du Peixe toca escaleta em O Triste Fim de Manuelita e grita "justiça" na faxa O Outro Lado de Xicão Xukuru. Puppilo toca em praticamente todas as músicas e divide a produção do álbum com ZeroQuatro.

Outro nome ligado à política presente no disco é o lingüista americano Noam Chomsky. Chomski marca presença na música CNFS - Comunicado, que traz trechos de uma entrevista que o músico fez com ele, num acampamento do MST, durante o Fórum Social Mundial, no Rio Grande do Sul.

Redação Terra