inclusão de arquivo javascript

Sandy e Junior estão orgulhosos por seu novo CD. A dupla foi responsável por 6 das 14 músicas inéditas de Identidade. Confira aqui o que os irmãos acham de cada uma das músicas:

1- Música e Paixão
Junior: "Compus essa música quando a gente estava no Chile, em Viña Del Mar, e foi muito engraçado, porque era de madrugada e eu ficava no quarto com o violão e o gravador, compondo. Normalmente, quando eu componho uma música, já penso no arranjo, ela já vem meio que completa na minha cabeça. Eu já vou bolando tudo, até virada de bateria já fica na minha memória. Então, quando chegamos do Chile eu fui direto pro computador. Eu tenho um estúdio pequeno em casa, fui para o Pro Tools e comecei a programar mais ou menos como eu tinha pensado que ela poderia ficar. E foi bem próximo do que ficou no CD, na verdade. É muito bacana fazer um arranjo, poder ouvir depois a música pronta. Porque é conseguir ver se concretizando o que estava no seu pensamento. Eu mandei a maquete pro Ricardo Feghali e ele terminou de programar lá. A letra foi feita pela Dani Monaco, que é uma compositora muito bacana, maravilhosa, uma superletrista. A gente fez em parceria, porque meu negócio é música, melodia, harmonia e tal."

2- Encanto (Tema de Acquária)
Sandy: Encanto> foi a primeira música que entrou nesse CD, a primeira que veio pra gente ouvir. Ela foi feita pelo Luis Gustavo e pelo Claudio Paladini. A música emocionou a gente logo de cara. Eu lembro até que a gente estava no carro e eu já comecei a querer cantar a música na hora. A música veio primeiro em inglês. A gente enxergou essa música na nossa voz, mas precisávamos de uma letra em português. Então mandamos pro Maurício Gaetani e ele fez uma letra bem legal: eu dei umas mexidas, dei umas modificadas, fiz um outro refrão. E o Ricardo Moreira também entrou na parceria da letra. Então, Encanto tem cinco parceiros. É uma música linda, está na trilha do filme também. É o tema romântico de Acquária, tema da Sarah e do Gaspar. Acho que é uma música superimportante, é o primeiro single do nosso CD. É linda, tem uma coisa forte e ao mesmo tempo é delicada, tem uma sutileza... O arranjo foi feito pelo Claudio Paladini e pelo Luis Gustavo, os compositores da música. E tem alguns loops, algumas programações feitas pelo Otávio de Moraes. Ficou super-romântica e moderna ao mesmo tempo. O arranjo foi feito no começo do ano, porque a gente precisava cantar no filme, e o filme foi rodado em abril e maio. Gravamos o CD somente em julho. Então, imagina, teve um espaço aí entre a gravação da música e do resto do CD. E nesse tempo, aconteceram muitas coisas nas nossas vidas. A gente faz uma música conforme o que sentimos no momento, então, Encanto acabou ficando um pouco antiga pro CD, o arranjo destoou um pouco. Por isso mexemos várias vezes, fizemos mais uns três, quatro arranjos até chegar nesse definitivo. Que ficou ótimo, eu adorei."

3- Desperdiçou
Sandy: "A música Desperdiçou foi feita pela Liah, Dani Monaco e Rique Azevedo. Esses três parceiros têm várias músicas no nosso CD, são muito bons, diga-se de passagem! É uma música apaixonante. Meu irmão recebeu a música e ouviu à noite, eu já estava indo dormir - e ele ficou tocando, tocando, porque também gostou logo de cara. Eu dormi ouvindo aquela música e acordei com ela na cabeça. Eu nem conhecia, nunca tinha ouvido antes. Então, já dava pra ver que a música era boa, ela tinha uma coisa pop legal. Aí, a gente mostrou pros nossos pais, no dia seguinte, e eles adoraram; depois, pro pessoal da gravadora e eles adoraram. Foi unânime. Quem fez o arranjo foi o Feghali e ficou muito bom, gostei muito. É uma das minhas músicas preferidas do CD. Ela tem tudo: balanço, charme, alguns elementos diferentes... A gente inventou umas coisinhas ali, que eu achei que ficaram legais, ficaram simpáticas. Bom, eu espero que o público goste. Nós acreditamos muito nessa música."

4- O Mundo que se Vê
Junior: "A música foi composta pelo Victor Pozas, Alexandre Castilho e André Aquino. O Victor fez o arranjo com o Alexandre e a música tem uma coisa, assim, meio rock¿n roll que é bem bacana. Ela passa uma mensagem preocupada com o mundo que está em guerra. Acho que é meio que uma conscientização da galera. Quisemos gravar essa música até porque tinha muito a ver com o momento que a gente estava vivendo no filme. Quando o Victor Pozas mostrou já estávamos na filmagem do nosso longa. E aí ficou perfeito, encaixou perfeitamente no CD. A gente curtiu muito gravar essa música. Eu participei também de toda parte da produção musical, sugerindo o solo de violino do Amon Rá, um amigo meu que toca muito. Enfim, ficou muito bacana. O Mundo que se Vê tem tudo a ver com o momento que a gente está vivendo."

5- Nada Vai me Sufocar
Junior: "É uma música da Liah, Dani Monaco e Rique Azevedo. Essa foi a primeira que eles mandaram. Recebi no meio de um monte de músicas. Dava uma primeira ouvida em todas as músicas que chegavam pra gente selecionar juntos as que iriam entrar no repertório. Essa música tinha um arranjo completamente diferente. A gente ouviu e eu falei: 'Gente, o arranjo está meio estranho, mas a música é muito boa'. Então, botei pra tocar no meu som, enquanto tomava banho, no quarto, fiquei ouvindo muito pra ver o que acontecia na minha cabeça. Um dia, no banho, me veio uma frase, um riff de guitarra... Aí eu parei, me arrumei rápido, peguei o violão e criei esse riff do começo. Depois disso, o arranjo veio inteiro na cabeça, já fui correndo pro computador, fiz uma maquete em cima do original, porque não tinha a música aberta em canais. Quando eu mostrei pro Max Pierre, vice-presidente artístico da gravadora, ele ficou louco! Lembro que cheguei até a mostrar pra Ivete Sangalo, quando a gente se encontrou no camarim lá no Rio, e ela também adorou. Pensamos em quem poderia fazer o arranjo junto comigo e enviamos a música pro Ricardo Feghali. Quando a música estava mais ou menos feita me veio a idéia de fazer um rap que não existia no original. Liguei pro Otávio de Moraes, nosso baterista no show e um dos arranjadores do CD, também. Liguei pra ele e falei: 'Otávio, me ajuda aí a fazer uma letra nessa parte, com uma divisão meio quebrada.' O Otávio é marido da Dani Monaco, que é uma das compositoras da música, então não teve problema nenhum!" (risos)

6- Você pra Sempre (Inveja)
Sandy: "A música Você pra Sempre, mais conhecida como Inveja, foi muito interessante. Não posso falar muito dela, sou suspeita, porque eu a compus junto com o meu irmão. Primeiro eu fiz um refrão pra ela, veio na minha cabeça uma melodia. Gravei no meu gravadorzinho e guardei. Ficou um tempão ali. Um dia, estava na fazenda tranqüila, férias, sabe, a gente fica em contato consigo mesmo... Estava tomando banho - eu sempre faço música no banho, não sei o que acontece comigo! -, quando me veio uma letra na cabeça. Estava pronto o refrão, com letra e melodia. Mostrei pro meu irmão e falei: 'Ju, agora precisa tirar a harmonia dessa melodia pra gente poder terminar a música'. Ele não deu muita bola... Me enrolou um pouco. Eu peguei um pouco no pé dele e ele fez a harmonia do refrão. Depois de um tempo a gente resolveu tentar fazer um começo pra ela, em casa. O Ju fez a harmonia, fomos criando a melodia juntos e, de repente, a música foi saindo. Quando a gente viu, estava pronta, só faltava a letra do começo. A gente tinha gostado pra caramba. Um outro dia eu estava tomando banho (de novo!) num hotel quando me veio a letra do começo da música na cabeça. Eram oito horas da manhã... louco né? Eu só faço nesses horários, assim estranhos! A gente mostrou pros nossos pais, eles babaram, ficaram impressionados com a música. Isso foi em 2001. A gente não gravou CD inédito desde então e a música ficou guardada. Agora, mostramos pro pessoal da gravadora e eles adoraram também, logo de cara. O arranjo é do Otávio de Moraes e eu fiquei muito feliz, porque ele pegou bem o que a gente estava sentindo, o que a gente estava querendo pra música. Ela ficou delicada e romântica. Eu acho que é muito a nossa cara, o lado mais romântico que a gente tem. Bom, eu sou suspeita. Não posso falar muito!"

7- Sem teu Amor
Junior: "A história dela é engraçada, porque o compositor dessa música é um amigo meu, que fazia figuração no programa Sandy e Junior. Ele é um cara que canta, sonha em gravar um CD, e faz umas músicas muito bacanas. Ele tinha gravado essa música, assim demo, pra mandar pra gravadoras e me deu esse CD. Eu curti pra caramba, essa música me chamou a atenção desde o começo. Também por ter feeling black anos 70. Quando a gente começou a fazer o repertório eu pedi pra ele me mandar algumas coisas, porque sabia que ele tinha músicas interessantes. E eu falei: 'Putz, demorou! Por que não? Eu já conhecia a música, já cantava, alguns amigos já cantavam, aí, resolvi gravar'. Pra fazer um arranjo bacana, eu queria uma coisa de guitarra bem legal nela. Aí, surgiu essa idéia de chamar o Davi Moraes pra fazer o arranjo junto comigo e tocar. Eu fiz uma participação no show do Davi, no Rio de Janeiro, no Ballroom, e a gente tinha feito essa troca de informação musical, já tava meio amigo. Então, liguei pra ele e ele topou na hora, ficou louco com a idéia. Eu mandei a música, ele adorou. A gente se reuniu pra criar o arranjo no dia de fazer base, já no estúdio. Montamos bateria, guitarra, baixo e percussão, tudo junto. Quer dizer, cada um num ambiente, e saímos tocando. Eu cantando, fazendo voz guia, e a gente saiu tocando. Ensaiamos umas quatro vezes e na quinta, já gravamos. Ela nasceu assim, meio live, como se fosse uma jam session. Por isso ela ficou com essa cara tão gostosa de show, ninguém consegue ouvir essa música parado, ficou com um suingue danado!"

8- Tudo pra te Conquistar
Sandy: "Foi o Ju quem ouviu essa música pela primeira vez. Ele ouvia quase todas e mostrava pra gente. Foi uma música que me chamou a atenção, principalmente por ter um clima meio blues ¿ '...Naaão me escondo...'-, que era muito divertido. A gente achou uma música divertida, gostosa de ouvir, de curtir. Mostramos para o pessoal da gravadora e eles gostaram também. O arranjo mudou tantas vezes, porque a gente sabia muito o que queria dela. E foi o Feghali que fez o arranjo. Ela também foi feita pela Liah, pela Dani Monaco e pelo Rique Azevedo. Gravei também no Mosh, em São Paulo, mas algumas coisas foram feitas no MM em Campinas, que é o estúdio onde a gente sempre gravou, desde o primeiro CD. Ela tem um estilo um pouco diferente do resto das músicas, acho que é exatamente por causa desse lado meio blues do começo. Tem uma referência meio antiga, meio do pré-70, aquele refrão... Então, fica essa coisa misturada do bluezinho no começo, com esse pop pré-70 do refrão. É bem bacana!"

9- Conto de Amor
Sandy: "Vou falar agora de uma música linda, que eu adoro, e que é bem romântica. Conto de Amor foi feita pela Liah e pelo Pedro Barezzi. Ela quase não entrou no CD, não sei porque, a gente não tinha selecionado. Mas ficou faltando uma e a gente queria uma música romântica. Pegamos o CD que a Liah tinha mandado e falamos: 'Bom, vamos escutar de novo, vai que tem alguma coisa boa e a gente passou batido?' Aí, a gente escutou e eu falei: 'Gente essa música é boa! Temos que gravar!' O Otávio de Moraes fez o arranjo e foi tudo de última hora, mas acho que deu muito certo. Eu fui me emocionando enquanto cantava porque ela tem uma letra linda, uma melodia encantadora, sabe? Pega no coração. Foi emocionante quando eu gravei. Eu cantei uma vez inteira. E o Felipe Abreu que estava comigo, me dirigindo no estúdio falou: 'Sandy, vamos fazer mais uns dois canais inteiros? Porque eu acho que não vamos precisar refazer muitas coisas, depois a gente faz aqui a nossa edição. Foi... cantei mais duas vezes e ficou assim."

10- Libertar
Junior: "Libertar também tem uma história engraçada. A gente estava viajando, indo fazer show, aí comecei a tocar violão e fiz os dois primeiros acordes da música, que são lá e si, mas com o si e o mizinho solto. Termos técnicos. Tocando assim, eu comecei a fazer essa brincadeira com um nanana, um embromation, falando qualquer palavra em inglês. Aí nasceu essa idéia do pararan, que tem a ver com a repetição da mesma melodia, de várias formas. Comecei a brincar com isso, ela meio que se guiou sozinha. É um tipo de música que eu curto muito, um pop rock light, não muito pesado, e com essa coisa de misturar orquestra e cordas. Me encontrei com o Feghali no estúdio para pensar como faríamos o arranjo, então gravei um violão ali pra ele ver toda a harmonia, a gente tirou tudo, fez algumas alterações. Foi assim que nasceu Libertar e ela ficou com uma onda bem gostosa. A música agora está no filme, é o tema do grupo, da galera ali, e a gente canta no eclipse lunar. A gente queria colocar no filme, todo mundo estava adorando, mas a letra não podia ser sobre o amor de um casal, tinha que ser coerente com o resto da história. Então pensamos em liberdade, em algumas palavras-chave, e nosso pai veio com a primeira idéia da letra. Aí, tudo ficou mais fácil e a Sandy já seguiu daí pra fazer a letra de Libertar. Virou uma composição minha, da Sandy e do nosso pai. Virou uma música em família."

11- Quero Você
Sandy: "Quero Você foi encomendada pro Otávio e pra Dani. O arranjo da música também é do Otávio. A gente ligou pro Otávio e disse: 'A gente quer uma música assim, assim, assim...' E eles fizeram, sob encomenda. Deu tão certo, ficou bem aquilo que a gente queria. Com um refrão legal, gostoso de cantar. É uma música bem moderna, dá tanto pra dançar, quanto pra curtir ouvindo. Tem um lance engraçado: uma vez, a gente levou essa música pra mostrar pros músicos que fazem o show com a gente, lá no Credicard Hall. Botamos no sonzão, no PA pra todo mundo ouvir: como tinha fãs do lado de fora, eles colocaram o gravador debaixo da porta pra gravar. Ficou até boa a gravação deles! No outro dia, quando chegamos, estava lá uma galera esperando a gente cantando "quero você, quero...". Eu perguntei: 'Como vocês sabem isso?' E eles: 'Ah!!!' (mostrando o gravador). Todo mundo tinha gravado e já estava cantando. Acho que ela pega, fica na cabeça, é gostosa de cantar. E tem uma poesia bonita também, não é só a música."

12- Razões pra Sonhar
Junior: "Razões pra Sonhar foi uma música que eu comecei compondo em casa, também ouvindo coisas no banho. O começo dela nasceu inteiro assim, o A e o B. Só que eu tinha feito um outro refrão numa onda meio funk, não tinha nada a ver com o resto da música. O começo estava tão bonito, mas o refrão não casava. Gravei no meu gravadorzinho e deixei. Um dia, encontrei o Victor Pozas, que é um dos compositores e arranjador também. Fizemos o arranjo da música juntos. Eu o encontrei nas filmagens de Acquária e, por sorte, nesse dia, estavam gravando mais coisas da Sandy, eu estava descansando. Mostrei essa música e ele falou: 'Putz, tá lindo o começo! Mas, o refrão não está cabendo!' Então, a gente começou a tocar, ele pegou o violão, eu também toquei, e fomos criando o refrão. Eu lembro que como não tínhamos um gravador, ele gravou no celular pra gente não esquecer. Eu levo o Pro Tools pra onde eu vou, então, tem sempre um estudiozinho por perto. A gente começou a fazer o arranjo na hora, no trailer, na filmagem do Acquária. O arranjo de cordas também é do Victor Pozas. É uma música que a gente gosta muito. Pedi pra Sandy fazer a letra e, por coincidência, ela já tinha um poema na mesma onda...

13- 18º (18 Graus)
Junior: "Na verdade, ela começou porque eu estava ansioso pra estrear o gravador que tinha comprado. História engraçada... A 18º foi uma música que eu comecei a compor nos EUA, no começo do ano passado, quando a gente foi fazer promoção do nosso outro CD. Eu estava no shopping e resolvi comprar um gravador, até então não tinha nenhum gravador pra compor. Aí, cheguei no hotel louco pra estrear o gravador: liguei e comecei a tocar o violão. Foi aí que nasceu a harmonia da canção, já com a melodia. Só não tínhamos feito o refrão, ainda. Fui correndo mostrar pra Sandy, que já começou a pensar na letra. Foi engraçado, já que eu compus a primeira frase falando em inglês. Quando não tem letra a gente fica ou no lálálá ou põe qualquer palavra. Eu lembro que eu comecei com "Come to see the sun", aí a Sandy falou: -Ah, bacana!. Por isso a primeira frase da música ficou "Venha ver o sol". Quando voltei ao Brasil fui pra casa do Otávio Moraes fazer o arranjo, porque o meu estúdio não estava muito legal na época. Ele tinha mais equipamento lá. A gente fez uma maquetezinha e deixou guardada. Quando fomos selecionar o repertório desse CD, lembrei dessa música. Mostrei pro Max, pro pessoal da gravadora, eles gostaram também, então a gente resolveu gravar. E uma coisa legal é que eu estava com vontade de gravar bateria em alguma música no CD. Resolvi gravar nessa por ser uma música nossa, uma das primeiras que eu compus. Eu só tinha gravado bateria uma vez, pra abertura do nosso programa na Globo. A gente chamou o Davi Moraes pra participar, pra tocar guitarra, e ele o fez maravilhosamente. Criou um solo fundamental pra música e gravou guitarras muito bacanas, também. As outras guitarras foram gravadas pelo Vinicius Rosa. Então, essa é a história da música."

14- Planeta Água
Sandy: Planeta Água é uma música superimportante nesse CD, porque ela faz parte da trilha do nosso filme Acquária. É o tema principal, gravamos pro filme. E, nossa! Na minha opinião, ficou emocionante. O arranjo é do Feghali e ele arrasou! O arranjo tem cordas e o Juninho fez uns vocais maravilhosos, também. Eu gostei muito. Foi um pouquinho mais complicada de gravar porque ela não é romântica mas eu queria interpretar, botar emoção na música. E ela é tão grandiosa, tão importante... Era uma responsabilidade, porque essa música é do Guilherme Arantes, tinha sido gravada por ele. E tinha sido um sucessão! É uma responsabilidade fazer uma regravação, um cover. Então, a gente falou: 'Bom, vamos lá! Vamos pensar, o que é que a gente faz?' Tentei várias coisas, mandei a minha voz por um caminho, por outro, até encontrar a minha interpretação, até conseguir passar a emoção que eu queria. Acho que ficou bem legal, ficou realmente grandiosa. E sem falar de amor. Emocionante, mas sem falar de amor! Eu gostei muito."