inclusão de arquivo javascript

 
 

Beth Carvalho canta o samba da Bahia em novo CD

25 de agosto de 2006 08h37 atualizado às 08h39

A cantora Beth Carvalho. Foto: Reuters

A cantora Beth Carvalho
Foto: Reuters

Beth Carvalho ouvia ainda bem menina o pai cantar João Valentão, de Dorival Caymmi. Foi ele quem apresentou à filha o obra do baiano, a quem a cantora, que completou 60 anos de idade e 41 de carreira este ano, dedica agora o CD e DVD Beth Carvalho Canta o Samba da Bahia.

Leia mais notícias de O Dia

Gravado terça e quarta-feira no Teatro Castro Alves, em Salvador, o novo trabalho da carioca traz, claro, a faixa que marcou sua infância, além de outras compostas por Caymmi: Maracangalha, Samba da Minha Terra e Oração de Mãe Menininha. Beth, que fez do TCA o seu terreiro, recebeu estrelas do calibre de Caetano Veloso, Maria Bethânia, Gilberto Gil e Ivete Sangalo.

"Gal Gosta só não veio por problema de agenda. Meus convidados não foram escolhidos à toa. Tenho uma vida com essas pessoas", explica a cantora, que também chamou muitos dos compositores baianos, como Edil Pacheco, Roque Ferreira e Walter Queiroz, para cantarem ao seu lado.

A segunda noite de gravação, que trouxe uma Beth mais relaxada, foi a mais estrelada. A "madrinha" dividiu o palco com Gil, em Mancada e Ivete, em Brasil Pandeiro. Bethânia ficou com É de Manhã.

Caetano, que dividiu o vocal com as duas na parte final da música, cantou Desde Que o Samba É Samba com a carioca. "Beth sempre foi um hit lá em casa, faz parte da minha vida. É um privilégio para os baianos ela ter vindo gravar aqui. Posso tirar onda", brincou a serelepe Ivete, que saiu logo depois da gravação.

Caetano e Bethânia não tiveram pressa: receberam no camarim a mãe, Dona Canô, que estava na platéia.

Convidada da primeira noite, Daniela Mercury dividiu vocais com Beth em Chiclete com Banana. Danilo Caymmi cantou em Maracangalha. Margareth Menezes participou de Dindinha Lua e Filho da Bahia.

O veterano Riachão esteve nas duas noites e fez duetos em Cada Macaco no Seu Galho e Vai Morar com o Diabo. Empolgado, tentou roubar um selinho da cantora e só sossegou quando tascou um beijo no canto da sua boca.

"Beijoqueiro que só ele", divertiu-se Beth, que veio à Bahia pesquisar o samba de roda nos anos 90. Representante dessa vertente, a novata Mariene de Castro estava entre os convidados da carioca: elas cantaram Raiz. "A mistura desse show foi única, juntou gerações e dezenas de tipos de samba", destacou Daniela Mercury.

Dirigido por Lula Buarque, o DVD de Beth Carvalho será lançado pelo selo seu selo, Andança, ano que vem. "Ainda vou tentar o João Gilberto para os extras do DVD. Minha idéia é fazer alguma coisa na casa dele", planeja a carioca, que registrou composições baianas contemporâneas como Verdade e Samba pras Moças, conhecidas na voz do afilhado Zeca Pagodinho.

Na gravação do DVD, ela foi acompanhada pelo Olodum. O grupo precisou regravar algumas vezes por fugir da marcação da direção. "Vê se pode, Olodum não é para ficar parado, não", resmungou um dos convidados na platéia, resumindo o espírito da coisa.

O Dia
O Dia - © Copyright Editora O Dia S.A. - Para reprodução deste conteúdo, contate a Agência O Dia.