0

"Não me arrependo, mas tem música que hoje não faria", diz Leandro Lehart

18 ago 2011
17h23
atualizado às 19h37

Convidado do Sonora Live desta quinta-feira (18), Leandro Lehart disse à apresentadora Lorena Calábria que se fosse hoje não faria alguns do seus maiores sucessos com o Art Popular.

Ouça Leandro Lehart grátis no Sonora

"Não me arrependo, mas tem muita música que hoje eu não faria, como Pimpolho e Amarelinha", comentou o sambista.

Leandro, que está divulgando seu novo trabalho, Ensaio de Escola de Samba, com ritmistas de diversas agremiações paulistas, ainda falou sobre a carreira no Art Popular.

"Era uma vida muito louca, muito intensa", comentou. "A gente fazia 250 shows por ano, por 12, 13 anos. O Art Popular vendeu 7 milhões de discos. Hoje, um pouco mais maduro, a gente consegue escolher melhor algumas coisas".

Acompanhado por duas baterias, um baixo, um teclado e um cavaquinho, Leandro Lehart, no violão e na guitarra, começou o Sonora Live desta semana com Olhos, seu primeiro single ao deixar o Art Popular em 2000.

Antes de encerrar o primeiro bloco, o sambista ainda cantou o sucesso Valeu Demais, canção também conhecida na voz de Leci Brandão.

Já na volta do programa, o músico apresentou seu mais recente trabalho, Ensaio de Escola de Samba. "É um registro histórico das grandes escolas de samba de São Paulo. Eu selecionei 150 samba-enredos, desde a década de 1960, e liguei para as escolas para saber quais representavam melhor a agremiação. Desses 150, a gente gravou 16", contou.

Leandro também falou da falta de sentimento dos sambas-enredo atuais. "Os maiores eram da década de 1980, eram sambas antológicos. Era um produto de exaltação do negro, que falava de protesto contra o preconceito racial. Eu não sinto isso hoje".

Perguntado sobre quais músicas não poderiam faltar em seu show, o sambista comentou que entende a exigência do público para os grandes sucessos, mas disse que cada vez mais as pessoas têm preguiças de ouvir novas canções.

"É uma linha difícil de administrar, mas como artista a gente precisa se alimentar de coisas novas, lançar músicas novas", explicou o músico pouco antes de cantar Agamamou, sucesso funk do Art Popular exigido sempre em seus shows.

O programa recebeu a participação via vídeo de La Vania, cantora brasileira de house na Itália e amiga de Leandro. "Ela me deu a maior força na Itália, ela era minha interprete quando fui para lá", disse o músico.Logo em seguida, Leandro seguiu com Brasileiro, música de Carlinhos Brown, também gravado no Ensaio de Escola de Samba, e o samba-enredo Do Yorubá ao Reino de Oxó, da extinta agremiação Cabeções de Vila Prudente.

"Eu não conhecia este samba, mas na minha pesquisa muitos carnavalescos disseram que esse era o samba-enredo mais importante da história do Carnaval", disse Leandro.

Já no final do programa, o sambista respondeu algumas perguntas dos internautas e revelou que não voltará para o Art Popular, como fez em 2005.

"A possibilidade de voltar é zero. Eles são meus irmãos, estou até produzindo um single para eles, mas estamos em mundos diferentes".

Por fim, Leandro Lehart disse que está preparando um disco de inéditas e emendou outro sucesso do Art Popular, Fricote.

O Sonora Live da próxima quinta-feira (25) recebe o cantor Marcelo Camelo.

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade