Especiais
Festival de Verão
Madonna

 Sites relacionados
Arquivo do Rock
FM O Dia
Dynamite
Nando Reis
Palco MP3
Território da Música


  Letras e cifras


 Notícias por e-mail
Receba as últimas notícias no seu e-mail
 Fale conosco
Mande suas críticas e sugestões. Participe!





Música
Quarta, 18 de abril de 2007, 14h45  Atualizada às 15h54
Keane mostra intimismo e vigor em São Paulo
 
Ricardo Pieralini
Direto de São Paulo
 
Reprodução
O vocalista Tom Chaplin em São Paulo
O vocalista Tom Chaplin em São Paulo
 Últimas de Música
Busca
Busque outras notícias no Terra:
O Keane surgiu como uma espécie de genérico do Coldplay e fez sucesso inicialmente entre fãs do Coldplay. No palco, entretanto, a banda inglesa (que tocou na noite de terça-feira no Credicard Hall, em São Paulo, e repete a dose nesta quarta) mostrou que, sem as afetações de Chris Martin e seus companheiros, é possível ser contagiante mesmo em baladas com piano e voz.

» Veja mais fotos
» Confira mais de 600 mil letras de música
» Aprenda a tocar os hits do seu ídolo
» Ouça suas músicas preferidas no Sonora

Sob os olhares atentos do público, que não chegou a lotar a pista do Credicard, o vocalista Tom Chaplin, o pianista Tim Rice-Oxley e o baterista Richard Hughes entraram em cena pouco depois das 21h30, sem pompa ou alarde. E de cara, com The Iron Sea, mostraram que não haveria frieza inglesa no recinto.

A seqüência inicial teve ainda Put It Behind You, Everybody's Changing (primeiro sucesso do grupo no Brasil) e Nothing In My Way. Tudo temperado por uma iluminação simples e correta e por um cenário com placas que ora funcionavam como espelhos, ora como telões.

Em sua segunda parte, a apresentação ganhou ares intimistas com o trio deixando o palco principal e tocando em uma passarela que ficou bem no meio do público.

Assim, quase em clima de rodinha de violão, saíram versões para Your Eyes Open, Hamburg Song - esta em tom triste e emocionado - e Fly to Me, apenas com a voz de Tom Chaplin.

Antes do bis, uma série com Leaving So Soon?, This is the Last Time, A Bad Dream, Somewhere Only We Know e Is It Any Wonder? tornou a relação entre platéia e músicos ainda mais próxima. Tom corria (sim, ele não é um ser estático e choroso) com o microfone nas mãos e fazia com que os paulistanos cantassem a plenos pulmões.

Após a parada para respirar, Atlantic, Crystal Ball e Bedshaped, com direito ao baterista Richard Hughes vestindo a camiseta da seleção brasileira, encerraram a noite em clima de suor e lágrimas.
 

Redação Terra
 
 » Conheça o Terra em outros países Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2010,Terra Networks Brasil S/A   Proibida sua reprodução total ou parcial
  Anuncie  | Assine | Central do Assinate | Clube Terra | Fale com o Terra | Aviso Legal | Política de Privacidade