PUBLICIDADE

Com hits, Elton John transforma público de 40 mil em coral

23 fev 2014 10h09
ver comentários
Publicidade
Elton John durante show em Salvador
Elton John durante show em Salvador
Foto: Genilson Coutinho / Divulgação

Um show morno, com alguns pontos de fervura. Assim foi a apresentação de Sir Elton John na Itaipava Arena Fonte Nova, em Salvador, na noite desse sábado (22), ao levar a turnê Follow The Yellow Brick Road para uma cidade ainda se acostumando com a vinda de grandes nomes internacionais. Apesar de ter sido um show irretocável e profissional, o cantor, compositor e pianista virtuose não conseguiu ter plena empatia e interação com o público, que, por sua vez, oscilou entre a frieza glacial e rompantes emocionais.

Foi tanto que Elton John fez modificações e adaptações no repertório da turnê, que foi concebida para homenagear os 40 anos da música Goodbye Yellow Brick Road. Entre elas, teve a inclusão de Skyline Pigeon, que não estava prevista e causou frisson, com aplausos de pé ao final. Ele optou também pela supressão de tantas outras, menos conhecidas, para emplacar seus sucessos radiofônicos fáceis e infalíveis. Mesmo dessa forma, em músicas como I’m Still Standing, Elton pedia para que o público cantasse junto, sem encontrar interlocução.

E a audiência de 40 mil pessoas, de acordo com a produção, encheu mas não lotou a Arena – havia clareiras nas cadeiras ao lado do palco, e também nas arquibancadas e na pista. Mas a apresentação teve pontos altos e momentos memoráveis, como quando o cantor inglês deu os primeiros acordes da emblemática Goodbye Yellow Brick Road, sem nenhum aviso prévio. Foi comoção geral e o fã-clube, que se sentou nas cadeiras em frente ao palco, levantou as bolas amarelas que levou para homenagear a execução. Entretanto, talvez Elton não tenha entendido a homenagem, pois nem fez referência ou, ao menos, agradeceu.

A partir desta reação, Elton John entendeu o que o público esperava dele e, imediatamente, colocou a indefectível Rocket Man. O povo aplaudiu de pé e ele retribuiu a gentileza, curvando-se e agradecendo em português. A partir daí a relação entre os baianos e o inglês começou a ficar mais amistosa, e ele passou a, perspicazmente, pular o repertório estabelecido e emendar seus hits um após o outro.

O que rendeu frutos, com lances de canto uníssono como em Nikita – outra agregada ao repertório baiano – e Sad Songs, que, por fim, colocou o show nos trilhos.

Perto do final, Don’t Let the Sun Go Down on Me transformou a plateia em um coral, que, de celulares em punho, iluminou a Arena. Mais aplausos de pé e Elton, em resposta, se levantou do piano e fez a mímica de abraçar a plateia.

Na última música antes do bis, Saturday Night’s Allright for Fighting, o cantor chamou o público a participar – que o respondeu sem muito entusiasmo –, e saiu do palco, para voltar com Your Song, a "música que, se eu não tocasse, a noite não seria a mesma", conforme afirmou em inglês antes de entoá-la. No bis, ainda havia Crocodile Rock, mas Elton John preferiu ficar por aí mesmo, em uma apresentação oscilante, mas que ele, educadamente, agradeceu em português, com um sonoro: "Obrigado!"

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade