1 evento ao vivo

Bandidos assaltam cofres de estádio sul-africano após show de Justin Bieber

14 mai 2013
09h49

Ladrões saquearam os cofres de um estádio de Johanesburgo poucas horas depois do show do cantor canadense Justin Bieber no local no domingo, informou nesta terça-feira a imprensa local.

Segundo o portal de informação sul-africano "iol.co.za", na madrugada de ontem, segunda-feira, depois da apresentação de Bieber no Estádio FNB de Johanesburgo, várias pessoas conseguiram entrar na sala onde os organizadores do espetáculo guardavam o dinheiro conseguido com a venda de ingressos.

A fonte aponta que os ladrões chegaram à sala entre as 2h e as 8h locais de ontem por um buraco que abriram no teto depois de ficar escondidos durante dias enquanto picavam a parede com barras metálicas e martelos.

Os bandidos puseram o plano em prática enquanto mais de 900 seguranças e centenas de operários estavam no estádio para preparar o espaço e organizar tanto o show de Bieber como o do grupo americano Bon Jovi, que se apresentou um dia antes do canadense.

Quando entraram na sala, os bandidos arrombaram os cofres em que estava guardado o dinheiro e levaram os ingressos de maior valor, deixando os mais baratos e moedas espalhadas pelo quarto, assim como a corda que usaram para entrar pelo teto.

Acredita-se que os ladrões tenham entrado em um banheiro ao lado da sala onde era guardado o dinheiro, e desde aí subiram para o teto, onde fizeram o buraco.

Embora as autoridades não tenham revelado quanto dinheiro os criminosos podem ter levado, acredita-se que ficaram com toda a quantia arrecadada nas vendas de entradas tanto do show de Bieber como do de Bon Jovi.

O roubo foi descoberto pelos organizadores do concerto ontem, quando se dispunham a fazer contas, após o que denunciaram o crime à polícia da África do Sul.

A direção do FNB Stadium, por sua vez, suspeita de que o roubo tenha sido realizado por funcionários do local.

A polícia está analisando as imagens das câmeras de segurança do estádio após encontrar várias impressões digitais e de sapatos, embora não se saiba o número de pessoas que podem ter participado do roubo.

EFE   

compartilhe

publicidade